DECISÃO EM AÇÃO DECLARATÓRIA SUSPENDE LEI 9065 DO PARA, VERSANDO SOBRE DESCONTOS LINEARES

Trata-se de ação declaratória com pedido de tutela de urgência, ajuizada pelo Instituto Campinense de Ensino Superior Ltda., o qual deduziu pretensão em face do Estado do Pará e da Diretoria de Proteção e Defesa do Consumidor – Procon/PA.

Aduziu o demandante que é a entidade mantenedora das instituições de ensino superior denominadas Universidade da Amazônia – UNAMA, Centro Universitário da Amazônia – UNAMA, Faculdade da Amazônia de Marabá, Faculdade Unama De Castanhal – UNAMA CASTANHAL, Faculdade Unama De Parauapebas – UNAMA PEBAS e Faculdade Uninassau Ananindeua – NASSAU ANANINDEUA, todas atuantes no estado do Pará.

Na condição acima, a autora desafiou a Lei Estadual nº 9.065/2020, de 26.05.2020, promulgada pelo Estado do Pará, a qual dispõe sobre a redução das mensalidades, na rede estadual privada de ensino, enquanto perdurarem as medidas de enfrentamento da Covid-19.

….

Nessa hipótese, a norma federal que rege as relações de consumo, de maneira mais abrangente é, sem dúvida, o Código de Defesa do Consumidor – CDC. Desse modo, ainda que reconhecidos os contratos de prestação de serviços educacionais como impregnados pelas relações de consumo, o legislador regional poderá apenas suplementar essa norma federal, o que significa que não poderá inovar, estatuindo um regramento que desequilibra a relação jurídica, mas que não foi cogitado no CDC

Aliás, o caso tratado na ADI nº 5462/RJ, que foi referido pelo demandado, não guarda similitude com a situação presente. Naquele contexto, o legislador regional restringiu a cobrança de taxas que foram instituídas pelas instituições de ensino, as quais foram tidas como abusivas. Ou seja, o legislador regional agiu em sentido negativo, evitando abusos por parte das entidades educacionais. Não é, portanto,
nada semelhante ao que sucede no caso presente, eis que, aqui, o legislador agiu inovando, ao estabelecer uma solução contratual que, ao que tudo indica, está além do seu alcance.

…..

Nesse panorama, ao menos para os fins de uma tutela emergencial, ressoam fortes evidências no sentido de que o legislador regional usurpou da competência legislativa que é própria da União. Portanto, ao observar a questão por esse viés interpretativo e, no estrito ambiente de uma tutela de urgência, a pretensão veiculada pelo autor não se revela desarrazoada, subsistindo fluência à probabilidade do direito invocado pelo demandante.

Consoante as razões precedentes, defiro a tutela de urgência reclamada e com suporte no art. 300 do CPC, determino a suspensão da aplicabilidade da Lei Estadual nº 9.065 de 26.05.2020, em favor da autora e das entidades das quais é mantenedora. Em consequência, os demandados não poderão lhes exigir o cumprimento da lei e, por óbvio, nem lhes aplicar qualquer sansão correspondente, prevista na norma impugnada.

 


Leia também: DEFERIDA TUTELA DE URGENCIA CONTRA LEI 3682/2020 DO TOCANTIS QUE TRATOU DE DESCONTO LINEAR

 

Compartilhe isso:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Notícias e Matérias